Revista Mandala

Perth: a cidade mais isolada do planeta

Um verdadeiro oásis na costa do Oceano Índico, Perth fica em meio a um eco sistema invejável, exótico e muito bem protegido

Compartilhar

Por Guilherme Sant’Ana e Ligia Vandelinde

A cidade mais isolada do planeta. Foi a primeira coisa que ouvimos sobre Perth, a capital da Austrália Ocidental. Se por um lado percebemos a aridez do deserto próximo, nos beneficiamos, e muito, de sua fertilidade natural. O clima é seco, o céu é azul cobalto e as temperaturas chegam facilmente aos 38 graus. Chove pouquíssimo, mas há brisa.

Na verdade, o vento sul sopra forte e constante de dezembro a abril, fazendo a alegria dos praticantes de windsurf e kitesurf. A conexão dos australianos com o mar é notável. Desde criança, são incentivados a enfrentar as águas geladas do Índico durante as competições entre os clubes de surf e salva-vidas do seu bairro (serviço pioneiro e voluntário), disputando provas de natação, travessia à remo e resgate. O resultado é uma nação devota ao oceano, que tem no surf seu esporte nacional. Pessoas de todas as idades, trabalhadores da construção civil, senhoras aposentadas, além da garotada, lotam os picos de surf nos finais de tarde. Outra coisa que chama a atenção aqui são os cães extremamente sociáveis, independentemente da raça, e as dog beaches,  praias exclusivas para eles que são sempre garantia de um fim de tarde divertido.

cao no mar

Com aranhas que têm um potencial de matar três homens adultos com apenas uma picada, podendo ser encontradas na maioria dos quintais, assim como as cobras mais venenosas do planeta passeando pela ciclovia ou até mesmo crocodilos migrando do mar diretamente para a sua piscina em tempos de enchentes  – o que é normal no noroeste australiano – a natureza pode ser mortal. No mar, o grande perigo é o tubarão branco, muito comum nesse lado da costa, onde eventualmente vemos os helicópteros amarelos sobrevoando a praia ao som de uma longa sirene. Apesar disso, nunca me senti tão seguro.

por do sol

Mais importante que uma política ambiental, percebo aqui uma cultura ambiental. Cangurus, wallabies, corvos, cacatuas cinzas e rosas, lagartos de língua azul, cisnes negros gigantes e as inteligentíssimas magpies (ave prima da gralha, malhada em preto e branco) são companhias normais na cidade ou nas centenas de praças, que funcionam não somente como locais de lazer, mas principalmente como reguladores do clima e drenagem. Há também muitos parques e áreas de conservação permanente, sem contar uma faixa de duna contínua invejável, tornando Perth uma das cidades mais arborizadas onde já estivemos.

ligia

Por ocupar uma grande área com baixa densidade, foram criadas pequenas prefeituras que cuidam dos interesses dos subúrbios próximos, mas seguindo sempre as diretrizes do plano diretor da cidade. O sistema viário é muito eficiente, possibilitando conexões entre trens, ônibus e ciclo-faixas. O carro, com preço normal e acessível, só se faz necessário para viagens de final de semana ou práticas esportivas que demandem equipamento em alguma praia de sua referência. No mais, a prancha de surf é levada dentro do trem mesmo.

bike

Uma cidade multiétnica, com gente da Ásia, Indonésia, África e Europa, faz com que a vida cultural seja riquíssima, com excelentes restaurantes, museus, bibliotecas e festivais. Outro destaque de Perth é a cidade irmã Fremantle, primeiro porto à época da chegada dos ingleses e holandeses. E é justamente esse ar de cais, cercada de prédios históricos, túneis e fortificações que faz de Freo, seu apelido carinhoso, um pólo para a maioria dos artistas da região, que ali vivem e trabalham cercados pelos guindastes, navios e ruas de containers.

porto

Das diversas ilhas da região, Rottnest Island é imperdível. Uma pequena ilha localizada a 20 km do centro de Perth, foi por muito tempo o local onde aborígenes eram mantidos presos. Apesar do passado triste, amplamente divulgado e discutido no museu local, Rotto é, há muitas gerações, destino obrigatório de todos que passam por esse lado da Austrália. Sendo um lugar ainda mais exuberante do que vemos no nosso dia a dia, o nome Rottnest, em holandês “ninho de ratos” se deve ao grande número de “ratões” espalhados pela ilha, que na verdade não passam dos doces Quokkas, pequenos marsupiais que existem somente nesse local.

agua

Há 14 meses aqui, o que percebemos é que os australianos têm uma relação quase utópica com a vida, o trabalho, o lazer, a velhice e o tempo livre. Cidadania e o senso de coletividade são valores ensinados desde cedo e o resultado disso é perceptível em todos os aspectos no país onde honestidade não é virtude. Eles até falam em tom de brincadeira: “ter uma vida de milionário sem precisar ser um”. Os australianos têm realmente muito mérito e parecem saber disso. E Perth é uma cidade realmente maravilhosa.

14333554_10208559816285303_7764490907252783575_nEste artigo foi escrito por Guilherme Sant’Ana e Ligia Vandelinde, colaboradores na seção Lugares no mês de abril de 2015. 

Maiana Antunes

Fundadora, jornalista e editora da Revista Mandala.

Comentar

Cadastre-se

Assine nossa news!



Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.