Revista Mandala

Da meditação aos gigabytes: como a tecnologia está modificando as experiências de autoconhecimento?

Deixe seu telefone ligado e se reconecte consigo mesmo.

Compartilhar

Pela primeira vez, um estudo revelou que se orientar em sua prática meditativa por meio do uso de um aplicativo de telefone pode ajudar a reduzir o cortisol e a pressão arterial sistólica em resposta ao estresse. Liderada pela pesquisadora Emily Lindsay, da Carnegie Mellon University (Pensilvânia, EUA), a pesquisa analisou o comportamento de 144 adultos considerados estressados que passaram a utilizar aplicativos de meditação com alguma das três seguintes abordagens: treinamento sobre estar no momento presente com aceitação, treinamento em apenas estar no momento presente e treinamento de controle ativo.

Cada participante realizou, durante o período de duas semanas, uma sessão diária de 20 minutos de meditação com a ajuda dos aplicativos. Em seguida, todos eles foram colocados propositalmente em situações de estresse enquanto a equipe de pesquisadores monitorava os níveis de cortisol em seus organismos e também a pressão arterial.

O que o estudo revelou?

A primeira abordagem, que fazia uso da atenção ao momento presente combinada à aceitação do participante sobre o que estava acontecendo, foi a que revelou-se mais eficiente no sentido de reduzir o estresse. Os participantes que usaram aplicativos de meditação voltados para essa perspectiva de aceitação apresentaram redução na pressão de reatividade medida tanto pela pressão arterial sistólica quanto pelo cortisol, que é a substância referente ao comportamento explosivo.

Ao combinar o uso de aplicativos com atenção plena e aceitação, os participantes experimentaram respostas de cortisol reduzidas à metade da intensidade do que aconteceu com os participantes que fizeram uso das outras duas abordagens meditativas, que não incluíam o treinamento de aceitação. Já suas respostas de pressão arterial foram cerca de 20% menores.

A internet é muito sábia

Os dicionários e as enciclopédias se chamam Google. O que é espiritualidade? Como praticar yoga? Quais os maiores ensinamentos das tradições milenares budistas? Onde está Deus? Cada uma dessas perguntas pode ser pesquisada na internet – e você vai encontrar milhares de respostas diferentes.

Sendo assim, é óbvio que estamos modificando nossos sistemas de aprendizado e conhecimento. Estamos indo de encontro a um próximo nível na capacidade de guardar informações: o construtivismo. De acordo com essa teoria, fundamentada pelo renomado pedagogo francês Jean Piaget, não existe real aprendizado na memorização vulgar, mas sim na maneira como a pessoa apreende aquele dado ou o associa a outros aspectos da sua vivência.

Jesus, Buda e Krishna só não tiveram suas contas no Facebook e Whatsapp por que não viveram uma época de fácil acesso à tecnologia.

Compartilhar ideias e experiências sempre possibilita um aprendizado. É no que acreditam Diego e Ana Gutierrez, desenvolvedores do Somos OM, uma plataforma que se destaca no Facebook com mais 200 mil seguidores e quase 15 mil inscritos no YouTube por seu conteúdo relacionado ao autoconhecimento. “As margens entre o mundo físico e digital estão diminuindo a cada momento”, eles observam. “Neste contexto, é natural que a espiritualidade siga na mesma direção”.

O celular revelou-se um acessório benéfico no treinamento da meditação e da aceitação segundo pesquisa feita na Carnegie Mellon University (Foto: divulgação)

Nas palavras de Diego e Ana, a ideia do Somos OM surgiu de um objetivo holístico de compartilhar mensagens sobre diversos assuntos que tratam da mesma essência: viver e buscar a evolução em todas as áreas da vida com harmonia e consciência. “Cada buscador se encontra em uma linha específica de pensamento, e o nosso papel é de apresentar pontos de vista, despertar reflexões e curiosidades, criar possibilidades e formas de se apresentar a mesma essência”, contam.

Para os idealizadores da página do canal, as mensagens recebidas diariamente com agradecimentos, pedidos, sugestões e relatos comprovam o poder de interatividade que novos formatos comunicativos oferecem. Eles até brincam: “Jesus, Buda, Krishna e tantos outros mestres só não tiveram suas contas no Facebook e Whatsapp por que não viveram uma época de fácil acesso à tecnologia que vivenciamos hoje em dia, mas souberam transmitir suas mensagens de acordo com o seu tempo”.

Afinal, tudo isso pode ajudar na prática de meditação?

Medita! é um aplicativo que fornece um verdadeiro arsenal de variadas possibilidades meditativas para cada momento da sua vida. De meditações clássicas a mensagens sobre a beleza da existência, tudo é acompanhado de uma delicadeza muito bem localizada e lindas canções. Assim como uma página no Facebook ou um canal informativo do YouTube, o app também funciona como um novo formato de ponte entre aquele que observa e aquele que é observado.

A ideia foi da terapeuta Mirna Grzich, que já tinha uma relação muito próxima com a contemplação depois de mais de 10 anos apresentando um programa de rádio sobre música new age. Além disso, desde os anos 1990 Mirna está envolvida pela música e pela meditação. Com ajuda de amigos e com o investimento próprio e de parceiros, ela desenvolveu o Medita!, que hoje pode ser baixado tanto para Android quanto para iOS.

Viabilizar o acesso às práticas contemplativas por meio de dispositivos móveis é o que Mirna considera o caminho natural, já que a maioria das pessoas está o dia todo conectada à internet. “É a fonte de maior estresse na nossa vida, mas também pode ser a fonte de momentos fantásticos”, ela afirma. “As pessoas adoram usar o aplicativo, ele é muito fácil de usar, a senhora de 70 anos usa, a menina de 15 anos usa”.

Sobre espiritualidade e tecnologia, Mirna acredita que um pode ajudar o outro. “Eu sinto que não usar a tecnologia para divulgar, dinamizar e tornar acessível para as pessoas essa linguagem seria uma tolice”, ela diz, enfatizando que o autoconhecimento e os dispositivos tecnológicos possuem diferentes grandezas. “Eu diria que a espiritualidade é um Tempo do Tempo e a tecnologia é o tempo do Mundo”.

E você? Já se conheceu melhor hoje? Deixe seu comentário e responda: o que você acha sobre a tecnologia a favor da espiritualidade?

Edmar Borges

Jornalista latino-americano sem dinheiro no banco nem parentes importantes, ilustrador vindo do interior de Minas Gerais. Acredita que um dia a tecnologia e a espiritualidade vão ter uma linda prole. Você também me encontra em omxxnamashivaya.tumblr.com

Comentar

Assine nossa news!

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.