Revista Mandala
Foto: Wellcome Images

“Nada por nós sem nós”: o protagonismo das pessoas com deficiência

A Revista Mandala conversou com Valquíria Ribeiro, responsável pelas ações socioassistenciais da APAE de São Paulo, sobre o espaço das pessoas com deficiência na sociedade.

Compartilhar

A inclusão das pessoas com deficiência não é pauta há muito tempo. Embora instituições como a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) existam há mais de 50 anos, as belezas e os desafios da vida de uma pessoa com deficiência têm sido debatidas recentemente com mais frequência graças à visibilidade que ações sociais e iniciativas igualitaristas recebem na Internet, por exemplo.

Ainda assim, muitos estigmas ainda assombram a realidade dessas pessoas e também de seus amigos e familiares. No que diz respeito à Deficiência Intelectual, os preconceitos costumam ser ainda mais destrutivos, encarcerando social, cultural e politicamente a Pessoa com Deficiência. Por isso, o trabalho prestado em muitas instituições de apoio a esses grupos é belo, urgente e fundamental.

fhijwobodrs-nathan-andersonPara falar sobre ações de inclusão e o espaço das pessoa com deficiência na sociedade, a Revista Mandala conversou com Valquíria Ribeiro Barbosa, Gerente de Serviço Socioassistencial na APAE de São Paulo. Psicóloga e Psicopedagoga com formação em Coaching, Valquíria chama a atenção para o número os dados atuais sobre Deficiência Intelectual no Brasil e também para a importância do protagonismo das pessoas com deficiência na luta por igualdade. Confira:

Revista Mandala: Estruturas sociais influenciam estruturas de vivência, seja na forma física ou psicológica. Por isso, sabemos que o preconceito com pessoas com deficiência dificulta suas vidas em muitos âmbitos, como saúde, educação, mobilidade e participação na política. Você acredita que a sociedade tem se tornado mais preparada para atender às necessidades e conviver de forma igualitária com as pessoas com deficiência?

Valquíria: Sem dúvida tivemos muitos avanços nos últimos anos, com a inclusão de crianças com deficiência em creches e escolas, além de oportunidades no trabalho. Estamos convivendo mais com as pessoas com deficiência e essa participação na sociedade vai contribuir para diminuir o preconceito, porque ele acontece quando não conhecemos o outro e a convivência é a melhor forma para combatê-lo. No entanto, ainda temos muito o que avançar em acessibilidade e oportunidades igualitárias.

Foto: Wellcome Images
Foto: Wellcome Images

Qual o papel da pessoa sem deficiência na vida da pessoa com deficiência? Pergunto isso porque, na maioria das vezes, as pessoas sem deficiência decidem pelas pessoas com deficiência, como na coordenação de instituições, regulamentação de leis e criação de projetos. Então, qual deve ser a atitude da pessoa sem deficiência para com a pessoa com deficiência, na busca de possibilitar um convívio harmonioso entre todas as pessoas?

Existe um lema muito significativo sobre o assunto: “nada por nós, sem nós”, ou seja, que nenhuma ação voltada às pessoas com deficiência deve ser realizada sem o envolvimento delas. Cada vez mais temos pessoas com deficiência na política e em vários segmentos que contribuem com sua participação na sociedade. Na questão da pessoa com Deficiência Intelectual, a APAE de SÃO PAULO possui um trabalho focado na autodefensoria, em que um grupo debate a defesa e garantia de direitos e dissemina essas ações.

É importante ressaltar que atualmente há três pessoas com Deficiência Intelectual que ocupam assentos nos conselhos de direitos – Conselho Municipal dos Direitos da Juventude e Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência, debatendo questões como as barreiras atitudinais enfrentadas por elas e construindo propostas em relação às politicas públicas. Acreditamos que as pessoas com deficiência falando por si ocupam o campo do protagonismo e passam da invisibilidade para a visibilidade.

Atualmente, qual a média de de pessoas com Deficiência Intelectual no Brasil? E com outras deficiências?

No Brasil, estima-se que 45 milhões de pessoas possuam algum tipo de deficiência, 2,6 milhões delas a Deficiência Intelectual. No estado de São Paulo, estima-se que 9 milhões são pessoas com deficiência, entre elas 500 mil com Deficiência Intelectual.

Foto: Wellcome Images
Foto: Wellcome Images

Acreditamos que a perspectiva de cada um é única. Por isso, só conseguimos de fato entender a necessidade do/a outro/a quando nos colocamos no lugar dele/a. E, em seu mundo particular, cada pessoa é capaz de criações incríveis, que só são como são graças à sua particularidade, à sua formação única. O que as pessoas com deficiência têm conquistado por contra própria e como a perspectiva dessas pessoas pode agir (e tem agido) em prol de conquistas para a melhoria de sua qualidade de vida?

As pessoas com deficiência precisam de oportunidades. A deficiência limita em algumas questões, porém são pessoas com potencial, habilidades e competências que, com apoios para realizar as tarefas, levam a vida como outra pessoa qualquer.

A participação na sociedade é que vai fazer valer seus direitos, seja na escola, no trabalho, na vida pública ou em qualquer outro espaço.

Como você se sente com seu trabalho? Dia após dia, com suas realizações, o que permanece motivando-a nesse caminho?

Trabalho no Terceiro Setor e na área da deficiência há muito tempo, o que sempre me motivou e ainda me motiva é saber que meu trabalho contribui na melhoria da qualidade de vida das pessoas com deficiência e de sua família. É muito gratificante acompanhar a evolução e o desenvolvimento de uma pessoa que precisa de apoios e de profissionais que possam mostrar caminhos e incentivá-la em suas conquistas.

Foto: Wellcome Images
Foto: Wellcome Images

Índices governamentais informam que tem crescido o número de pessoas com deficiência no mercado de trabalho e nas escolas. De acordo com o Ministério da Educação, a inclusão na Educação Básica brasileira saltou de um índice de 29% para 79% entre 2003 e 2014. Dados da Relação Anual de Informações Sociais informam que 403,2 mil pessoas com deficiência trabalhavam formalmente no Brasil no ano passado.

 

Edmar Borges

Jornalista latino-americano sem dinheiro no banco nem parentes importantes, ilustrador vindo do interior de Minas Gerais. Acredita que um dia a tecnologia e a espiritualidade vão ter uma linda prole. Você também me encontra em omxxnamashivaya.tumblr.com

Comentar

Assine nossa news!

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.