Revista Mandala

Pesquisas revelam que yoga pode alterar o DNA humano

Entre os benefícios da prática à genética humana estão resistência a doenças crônicas e melhoria na recuperação do câncer.

Compartilhar

naturalEsta é uma tradução do texto de Vicki Batts publicado originalmente no site Natural News. Você pode acessar o artigo em inglês aqui.

Yoga é uma prática conhecida por seus benefícios à saúde humana. É um grande aliviador de estresse e há milhares de maneiras de ser praticado. Pode ser feito em casa, no seu próprio tempo e espaço – ou você pode fazer aulas em qualquer outro lugar.

No entanto, yoga é mais do que apenas uma tendência. Ele fornece benefícios reais para o seu corpo e de uma variedade de maneiras que continuam sendo descobertas. Por exemplo: um estudo de 2011 conduzido por pesquisadores da York University revelou que yoga ajuda a reduzir os hormônios do estresse e a aliviar os sintomas físicos e psicológicos de dor crônica em mulheres com fibromialgia.

Pesquisas mais recentes revelaram que os benefícios do yoga para o corpo humano podem ir ainda mais além. Um estudo da Universidade de Harvard revelou que a prática pode gerar uma mudança positiva na função metabólica em nível celular. Isto, por sua vez, pode melhorar aspectos como a absorção de nutrientes e ajudar na prevenção de doenças crônicas. Os resultados mostraram que, em geral, a prática de yoga promoveu uma melhor função celular em toda a linha de estudos.

pexels-photo-102623Para realizar o estudo, os pesquisadores utilizaram dois grupos de participantes: um grupo que praticou exercícios de yoga e mindfulness e um grupo que não praticou nada. Após um período experimental de oito semanas, os cientistas colheram amostras de sangue de ambos os grupos. Então, eles descobriram que o grupo que havia praticado yoga apresentava mudanças em 2.209 genes, sugerindo um efeito bastante significativo. Destes, 1.275 sofreram aumento de atividade e 934 casos passaram por alterações que resultaram em genes com diminuição de atividade.

Escrevendo para a Fox News, Chris Kilham observa que, além do metabolismo celular, muitas das mudanças que ocorreram no DNA resultaram em uma maior resistência ao estresse oxidativo. Kilham comenta: “O estresse oxidativo está associado a várias doenças degenerativas, incluindo doenças cardiovasculares, distúrbios neurológicos e muito mais. Ao melhorar a resistência ao estresse oxidativo, há melhorias na saúde como um todo, reduzindo o risco de doenças crônicas”.

pexels-photo-248139Outro estudo, conduzido por pesquisadores da Universidade de Calgary, mostrou que a yoga também pode ser uma ferramenta muito útil na recuperação do câncer. Para realizarem o estudo, os pesquisadores conduziram um grupo de sobreviventes do câncer de mama a participarem de aulas semanais de yoga e meditação. Além disso, as participantes também praticaram as técnicas em casa. Um grupo de controle, que não realizou nenhuma dessas atividades, também foi parte do estudo. Amostras de sangue de ambos os grupos foram coletadas no início do experimento e novamente quando o período de estudo terminou, depois de doze semanas.

Os cientistas descobriram que os participantes que praticaram os exercícios de yoga e meditação apresentaram telômeros mais longos do que aqueles vistos no grupo de controle. Quanto maior o comprimento dos chamados telômeros, melhor a taxa de sobrevivência pós-câncer, de acordo com muitos especialistas na doença. Isso sugere que yoga pode desempenhar um papel valioso na recuperação do câncer.

Além de trazer à luz novas idéias sobre os efeitos da yoga na saúde humana, esses estudos também parecem sustentar a informação amplamente replicada de que a prática pode prolongar o tempo de vida.

pexels-photo-68468

Edmar Borges

Jornalista latino-americano sem dinheiro no banco nem parentes importantes, ilustrador vindo do interior de Minas Gerais. Acredita que um dia a tecnologia e a espiritualidade vão ter uma linda prole. Você também me encontra em omxxnamashivaya.tumblr.com

Comentar

Assine nossa news!

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.