Revista Mandala
Superlua - Foto: Sofia Kich

Superlua de novembro sugere uma pausa nos conflitos e busca por estabilidade

A lua cheia do mês de novembro acontece com a Lua no signo de Touro e o Sol em Escorpião, portanto, movimentos conscientes voltados para reformas e mudanças podem encontrar forte resistência para serem efetivados, afinal, sempre que temos uma oposição podemos sentir a tensão entre dois pólos.

Compartilhar

Por Ana D´Almeida – consultora astrológica    | Imagem: Sofia Kich

Hoje tem superlua no céu! Mas de novo? Já não teve uma no mês passado? Teve sim, isso não é um dejà vu

Muitas variáveis astronômicas precisam ser reunidas para que o fenômeno da superlua aconteça, que é quando a lua cheia coincide com o Perigeu Lunar. Oficialmente, a lua cheia ocorre quando ela passa pelo grau exatamente oposto ao Sol, o que é um momento muito breve. A diferença de horário entre esse momento e o momento do Perigeu – ponto da órbita lunar de maior proximidade da terra – é que vai determinar o quão maior e brilhante esta lua cheia vai estar, então quanto menor for este intervalo, mais relevante será o fenômeno! Ou seja, nós podemos ter muitas superluas, mas algumas são mais poderosas que outras, e a de hoje só terá uma rival à altura em Novembro de 2034!

A lua cheia do mês de novembro acontece com a Lua no signo de Touro e o Sol em Escorpião, portanto, movimentos conscientes voltados para reformas e mudanças podem encontrar forte resistência para serem efetivados, afinal, sempre que temos uma oposição podemos sentir a tensão entre dois pólos. Touro é um signo de hábitos difíceis de mudar, portanto a passagem da Lua por este signo marca um período no qual a busca por estabilidade e segurança são manifestados. Os impulsos inconscientes (lunares) se posicionam em prol da conservação e valorização do patrimônio, ou seja, pode ser desconfortável direcionar recursos para realizar as mudanças e reestruturações que este Sol escorpiônico conscientemente está pedindo. A tendência neste momento é pensar que melhor seria conservar os recursos para o futuro ou para empreendimentos mais garantidos.

Mas ao contrario do mês passado, quando Sol e Lua estavam aspectando fortemente os demais planetas, neste mês os dois astros da luz fazem um espetáculo solo. Em outras palavras, os problemas continuam acontecendo, o céu segue marcado por tensos aspectos entre Júpiter, Plutão e Urano, mas sentimos que podemos nos dar uma trégua, afinal o fim do ano está chegando e preferimos passar o nosso tempo enfeitando a árvore e decidindo o cardápio da Ceia de Natal a nos envolver com os dramas que se desenrolam no mundo e que por hora parecem estar muito distantes.

Marte já se afastou de Plutão, o que tende a diminuir o nosso impulso beligerante. A sua entrada em Aquário deixa mais abstratas as atitudes agressivas, quiçá buscando na convivência social e nos diálogos da coletividade uma solução para o aumento da violência, na tentativa de diminuir estragos.

Lua e Plutão fazem uma trégua e juntos atuam no sentido de estabilizar as coisas. As eleições definiram novos líderes em diversos lugares do mundo e agora é preciso voltar ao trabalho. O momento é de procurar um bom lugar na plateia para assistir ao espetáculo da forma mais cômoda possível, mas tendo em mente que o palco é um local de passagem e os atores estão sempre se alternando. Mudamos a cor da luz, caprichamos na maquiagem, mas no final das contas é tudo uma grande mentira.

Maiana Antunes

Fundadora, jornalista e editora da Revista Mandala.

Comentar

Assine nossa news!

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.